CONGADA DO DIVINO DE PIRACICABA- TRADIÇÃO VIVA


 

Congada do Divino de PiracicaBa

Congada do Divino de PiracicaBa

De forma de forma doce, singela, o Grupo de Congada do Divino de Piracicaba , ainda existe e resiste em Piracicaba – SP…

Parabéns à todas(os) que tecem a alma desse grupo e eu espero que todos  os representantes  da nossa tradição, os reais fazedores da cultura ancestral da Noiva da Colina se unam para que dessa forma mantenham viva sua identidade enquanto grupo, pessoa, objeto, , para que mantenha atuante sua identidade e individualidade nesse coletivo folclórico, reconquistando sua dignidade. essência enquanto tal.

Salve a Congada, salve o batuque, os bordados, salve o samba de lenço, a catira, salve o samba de roda, as brincadeiras, as crenças, os mitos e os ritos, salve os benzedores, os raizeiros, o chazinho, salve todos os santos e os reinos por eles protegidos.

Essa diversidade  cultural que nos faz forte enquanto Brasil,  enquanto Piracicaba, enquanto indivíduo, enquanto coletivo, enfim, salve  o velho que transmite e o novo que continua…

AMO ISSO E VIVO  PARA QUE SE SALVAGUARDE ESSA MARAVILHA QUE SÃO NOSSAS REAIS MANIFESTAÇÕES DESSA QUE CHAMAMOS NOIVA DA COLINA…

Anúncios

ALDRAVIAS – CONGADA DE PIRACICABA


CONGADA-Logo

CONGADA I

segue
tempo
dança
vento
pelo
rio

CONGADA II

bandeira
alta
mãos
espaldadas

gerada

CONGADA III

memória
vinda
gente
crente
idos
tempos

CONGADA IV

corpo
pulsa
pulso
forte
longo
passo

CONGADA V

canta
dança
crença
ritos
mitos
vozes
vezes

CONGADA VI

completando
busca
falando
passa
feito
amor

CONGADA VII

gente
velha
com
nova
resiste
arte

UM POUCO DA MEMÓRIA DA CONGADA DE PIRACICABA


CONGADA-LogoUM POUCO DE MEMÓRIA DA CONGADA DE PIRACICABA
Grupo de Congada do Divino Espírito Santo de Piracicaba existe informalmente há mais de um século, surgindo a priori, como Folia do Divino que visitava as casas de fiéis, participando ativamente dos rituais religiosos que antecediam os festejos ao Divino, levando a bandeira do Divino e fortalecendo a fé dos devotos com orações, dança e cantorias.
Com o decorrer de sua existência surgem músicas e coreografias temáticas que são gradativamente introduzidas por antigos componentes, culminando no que hoje chamamos Congada de Piracicaba, e seus participantes nutrem e preservam a devoção ao Divino Espírito Santo adotando Nossa Senhora de Aparecida como mãe padroeira.
Há décadas transformou-se no único grupo manifesto de tradição folclórica, popular e religiosa ativo que alia a prática da fé aos diversos ritmos que incorporaram suas apresentações, entre elas: Baixão do Divino, Congada, Caninha-Verde, Samba Lenço, Dança da Fita, Tangarás, Rio de Lágrimas, gerando um universo sincrético acolhedor entre rituais cristãos, o pulsar rítmico africano e a herança cultural devocional portuguesa.
Resistindo às muitas intempéries nesse longo espaço de tempo de existência, atua em vários eventos, religiosos ou não, levando o nome de Piracicaba à diversos segmentos religioso, sócio e artístico culturais, entre eles, festas alusivas ao Divino Espírito Santo, à São Benedito, à Nossa Senhora de Aparecida, pousos, encontros, congressos, festivais, missas, fóruns, feiras, festas. É também intensa fonte de pesquisa do universo acadêmico, sendo tema de publicações, documentários, filmagens e gravações.
A Congada de Piracicaba representa nos festejos folclóricos, a resistência, inovação e manutenção da tradição do município, sendo de valor significativo para a interpretação da cultura local, onde se identificam elementos semiológicos tais como, dança, religião, economia, música, representação, credo, entre tanto outros que integram o contexto social de um coletivo cultural manifesto; gerando uma rede de relações sócio culturais poli dimensionada.
Isso posto, sua presença é tênue e de sistemático referencial teórico nas áreas de antropologia social, folclore, educação física teologia e sociologia, numa miscigenação completa do corpo, mente e espírito, através de resgate de técnicas corporais, orais, rítmicas à luz da interpretação cultural, desenhando o que chamamos de transfiguração.
Cada componente da Congada de Piracicaba é agente responsável pela sua salvaguarda, resistência, sobrevivência e vitoriosa superação, seja como cidadãos, organizadores, “dançadores”, “tocadores”, e ou “cantadores”; que se harmonizam com a comunidade, nos festejos da cidade e de outras localidades; demonstrando também o modo como lidam com seus corpos em sociedade. Com base em um novo olhar, há de se entender que a Congada constitui um significativo elo para a interação de diversos elementos presentes na sociedade. Assim, o corpo que se manifesta – ora em casa, ora na rua – traz impregnada sua cultura: a cultura da Congada, Congada de Piracicaba.
Texto: Roberta Lessa (Folclorista, Pesquisadora, Coordenadora da Congada de Piracicaba

Congada do Divino de Piracicaba


CONGADA DO DIVINO: Apresentação SESC Piracicaba-I Fórum de Defesa das Tradições de Piracicaba (Fonte: Mayara Cristofoletti)

GRUPO DE CONGADA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PIRACICABA: Apresentação SESC Piracicaba-I Fórum de Defesa das Tradições de Piracicaba

O grupo de Congada do Divino Espírito Santo, surge há mais de um século no município de Piracicaba e se estabelece enquanto um dos reais representantes das manifestações folclóricas de tradição do município de Piracicaba, resistindo às muitas intempéries enfrentadas nesse longo espaço de tempo de sua existência.  Atua levando o nome da “Noiva da Colina” (cognome do município de Piracicaba), sistematicamente nos eventos que participa nos diversos níveis sociais, entre muitos, elencamos algumas de suas efetivas participações: Festa do Divino Espírito Santo de Piracicaba, de Anhembi, de Tietê e de Laranjal Paulista; Festa de São Benedito de Piracicaba, Encontro das Imagens de Nossa Senhora e São Benedito, inúmeros eventos acadêmicos, Encontros de Medicina na Melhor Idade, Formaturas, Encontros Folclóricos, Congressos Acadêmicos, Missa  Sertaneja, Exposições, Festa do Peixe, Encontros Religiosos diversos, Revelando São Paulo, Fóruns e Congressos de diversificadas modalidades. Também sempre é procurado para realizações de pesquisas, filmagens, documentários, sendo muitas vezes objeto de estudo no mundo acadêmico (graduação, pós, doutorados, mestrados e pós doutorados.

O GRUCONDESPI representa nos festejos folclóricos, a resistência e manutenção do sincretismo do religioso mítico africano, com a religiosidade cristã, constitui um fator significativo para a interpretação da cultura local, pois nela identificam-se elementos, tais como dança, religião, economia, poder público, dentre outros, que integram o contexto interagindo entre si, costurando uma rede de relações sócio culturais. Isso posto, sua presença, tece tênue e  sistemático referencial teórico nas áreas de Antropologia Social, Folclore, Educação Física e Sociologia, numa miscigenação  do corpo, mente e espírito, através de resgate de técnicas corporais à luz da interpretação cultural, desenhando o que chamamos de transfiguração.

Cada componente do Grupo de Congada do Divino Espírito Santo é um agente responsável pela sua resistência, sobrevivência e vitoriosa superação, seja como organizadores, como “dançadores”, “tocadores”, que se harmonizam com a comunidade nos festejos da cidade – demonstram também  o modo como lidam com seus corpos em sociedade. Com base em um novo olhar, há de se entender que a congada constitui um significativo elo para a interação de diversos elementos presentes na sociedade. Assim, o corpo que se manifesta – ora em casa, ora na rua – traz impregnada sua cultura: a cultura da congada.

Em dezembro de 2008 em virtude das necessidades de continuidade do grupo, foi eleita uma nova Comissão de Organização, composta por: Roberta Lessa (Coordenação e Contatos).  Dinarte E. Rodrigues, (Música), Luiz Alberto Pavinatto (Finanças), Maria Aparecida dos Santos (Memória) e Patrícia F. R. Ferreira (Dança). Assim sendo com o intuito de reavivar o grupo abriram-se vagas para novos componentes formando assim um grupo pára folclórico que dará continuidade, sustentação e apoio aos componentes veteranos que fazem parte do grupo folclórico, totalizando assim sessenta componentes oficialmente inscritos, com idade que varia de 07 a 92 anos.

Visando salvaguardar esse bem imaterial de nosso município essa nova equipe de coordenação deu entrada ao processo de tombamento da Congada do Divino Espírito Santo de Piracicaba a priori junto ao CODEPAC-Piracicaba  (Aguardando resposta  de nosso Prefeito Municipal) e em agosto junto ao Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Outra linha de ação é a de gerar uma identidade jurídica do grupo, bem como agilizar as linhas de ações contidas no projeto “Congada Viva!” em andamento que abarca entre outros temas o resgate da memória do GRUCONDESPI.

Dessa forma, uma outra realidade se instalou junto a esse segmento representativo de nosso folclore local que tende seguir sua trajetória que se iniciou nos primórdios da cultura de Piracicaba.

ENTRE EM CONTATO: Roberta Lessa (robertalessa@uol.com.br)

Conheça um pouco mais sobre a Congada de Piracicaba acessando nossos documentários documentário 1 e documentário 2

O LADO ESCURO DA LUA

Minha maneira de ver, falar, ouvir e pensar o mundo... se quiser, venha comigo...

palavra[interna]

JAMES MORAIS & LAIANA DIAS | BRAZIL | Poesias & Reflexões

Liberte-se!

Tem coisas que só sai da gente por escrito.

Curtir THE Novo

Cultura e entretenimento

marcianossabemler.wordpress.com/

Para gostar tanto de livros, só poder ser ETE!

DITIRAMBOS

Poemas, Ensaios, Críticas, Biografias, Tudo Sobre Poesia e Poetas Realmente Importantes. A Poesia em Diálogo com outras Artes. A isso se propõe o Ditirambos. Haroldo de Campos: Não importa de fato chamar o poema de poema: importa consumi-lo, de uma ou outra forma, como coisa.

Experimentarte

espaço de expressão do artista

Rubem Alves:

Ler é fazer amor com as palavras.(blog sobre Rubem Alves)

Rubem Alves | Blog não oficial

coletânea de textos desse grande Educador

Esquizofrenia das Artes

Blog dedicado a divulgação cultural e artística

Cacos Metafóricos

por Petterson Farias

Nas Duas Margens

Nas duas margens - blogue de Vamberto Freitas

O LIVRO DOS SERES IMAGINÁRIOS

Vivemos pelo poder das coisas que não existem. Por isso, os deuses são tão poderosos. (Paul Valery)

Poesia Lunar

cercada de poesia por todos os lábios

%d blogueiros gostam disto: