GENTE (Série Filosofiando Ideias) ROBERTA LESSA


393181_4071153330304_506620006_n
GENTE DE PLÁSTICO
Vivem atrás do vazio daquilo nada rústico
Tecem vorazes espelhos daquilo nada místico
Crescem atrás da escolha daquilo nada crítico
Permanecem atrás de pompa daquilo nada crístico
Estabelecem atrás de compra daquilo nada fantástico
Enrijecem atrás da troca daquilo nada acústico
Descem atrás da substituição daquilo nada analítico
GENTE NO PRATO
Voam baixo, jamais acessam o abstrato
Amam pouco, jamais vivem sem aparato
Cantam muito, jamais procuram o substrato
Povoam mentes, jamais desejam contato
Juram demais, jamais tocam o literato
Inovam pouco, jamais consideram o novato
Falam brevidades, jamais entendem o hiatoGENTE EM PRANTOS
Partindo do coração, entendem somente quebrantos
Rindo do outro, entendem apenas medos distintos
Aderindo ao comum, entendem somente momentos
Aferindo o fervor, entendem somente fomentos
Divergindo do todo, entendem somente não estar juntos
Saindo da métrica, endentem somente serem isentos
Caindo do ego, entendem somente de alimentos

GENTE PILATOS
Quando ocorrem boatos creem em relatos
Graduando em frivolidades vestem aparatos
Excetuando pares afogam-nos em regatos
Pingando falácias reinventam fatos
Atuando nas coxias compram decadentes inatos
Perpetuando poderes simulam falsos desideratos
Aguardando momentos promovem equivocados dialetos

GENTE POR PARTES
Conforme escolha: inertes
Disforme do justo: aportes
Uniforme e incisivo;suportes
Dorme em flores: sortes
Enorme sabores: consortes
Desenforme físico: esportes
Entorne o todo: tramites

GENTE COM PINTA
Ruim tinta, que tinge almas e mancha vidas
Botequim cinta que ata vícios e mata sonhos
Pasquim sinta que urge notas e transita notícias
Jardim distinta que medra pessoa e tolhe passivos
Manequim trinta que expõe anos e explora formas
Arlequim sucinta que resume medos e traduz degredos
Tupiniquim faminta que gera essência e recebe ausência

GENTE PARA PORTA
Arromba comporta.. palavras ao léu
Retumba importa… palavras em mel
Redunda torta… palavras sem lei
Fecunda reporta…palavras que sei
Circunda absorta…palavras do fim
Abunda conforta… palavras assim
Profunda morta… palavras enfim

 

Published in: on 21 de setembro de 2016 at 17:08  Comentários desativados em GENTE (Série Filosofiando Ideias) ROBERTA LESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

CLARICELISPECTEANTE (Série Filosofiando Ideias) ROBERTA LESSA


02
… ando meio “claricelispecteante” da vida…
 
SERÃO VÍRUS?
Será isso tudo minha incapacidade em desatrelar do banal?
Será isso um nada à consolidar os meus complexos discernimentos?
…VÍRUS…
 
SERÃO FOMES?
Será isso tudo minha nulidade em saciar do real?
Será isso um nada à habitar o meus convexos pensamentos?
…FOMES…
 
SERÃO PONTOS?
Será isso tudo minha malignidade em desafiar do geral?
Será isso um nada à necessitar os meus anexos juramentos?
…PONTOS…
 
SÃO VÍRGULAS?
Será isso tudo minha desonestidade em desajustar do literal?
Será isso um nada à completar os meus perplexos momentos?
…VÍRGULAS…
 
SÃO CAMINHOS?
Será isso tudo minha disparidade em descuidar do frugal?
Será isso um nada à questionar os meus nexos ferimentos?
…CAMINHOS…
 
SÃO T(R)EMORES?
Será isso tudo minha complexidade em desligar do causal?
Será isso um nada à clarear os meus frouxos emponderamentos?
…T(R)EMORES…
 
SÃO (IN)CONSTÂNCIAS?
Será isso tudo minha promiscuidade em alcançar o ideal?
Será isso um nada à contemplar os meus paradoxos questionamentos?
… (IN)CONSTÂNCIAS…
Published in: on 17 de março de 2016 at 19:23  Comentários desativados em CLARICELISPECTEANTE (Série Filosofiando Ideias) ROBERTA LESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , ,

PONTOS EM MIM (Série Poema no Poema)Roberta Lessa


ROBERTA LESSA -FOTO POEMA

ROBERTA LESSA -FOTO POEMA

NÃO MAIS PALAVRAS AO POETA BASTAM, ELE QUER NELAS IMPINGIR ALMAS.

  •  numa eterna busca interior a arte complementa a gana da busca dos saberes: ao poeta cabe retratá-la.

E ASSIM SOMAMOS, MULTIPLICAMOS E DESEJAMOS…

…….

NÃO MAIS ALMAS AO POETA  PULSAM, ELE QUER NELAS ATINGIR VIDAS.

  • numa interna busca maternal a arte alimenta a gana da busca dos fazeres: ao poeta cabe defraudá-la.

E ASSIM PECAMOS, DILACERAMOS E CONTINUAMOS…

…….

NÃO MAIS VIDAS AO POETA LUTAM, ELE QUER NELAS PROGREDIR SONHOS.

  • numa materna busca exterior a arte orienta a gana da busca dos dizeres: ao poeta cabe desfrutá-la.

E ASSIM CEDEMOS, CREMOS E MANTEMOS…

…….

NÃO MAIS SONHOS AO POETA GRITAM,  ELE QUER NELES INCUTIR PENSAMENTOS.

  • numa externa busca moderna a arte contenta a gana da busca dos prazeres: ao poeta cabe fomentá-la.

E ASSIM NUTRIMOS, CAÍMOS E ILUDIMOS…

…….

NÃO MAIS PENSAMENTOS AO POETA MEDRAM, ELE QUER NELES DEFERIR FORMAS.

  • numa moderna busca diária a arte fomenta a gana da busca dos poderes: ao poeta cabe retê-la.

E ASSIM OPOMOS, DISPOMOS E SUPOMOS…

…….

NÃO MAIS FORMAS AO POETA RETRATAM, ELE QUER NELAS PROGREDIR IDÉIAS.

 

  • numa diurna busca infernizante a arte comenta a gana da busca dos viveres: cabe ao poeta acessá-la.

E ASSIM RIMOS, NUTRIMOS E PARTIMOS…

…….

NÃO MAIS IDÉIAS AO POETA SOPRAM, ELE QUER NELAS TRANSMITIR PALAVRAS.

  • numa infernal busca noturna a arte acalenta a gana da busca dos  conteres: cabe ao poeta detê-la.

E ASSIM VIMOS INTERVIMOS E DIVERGIMOS…

…….

 

 

Published in: on 4 de outubro de 2015 at 10:14  Comentários desativados em PONTOS EM MIM (Série Poema no Poema)Roberta Lessa  
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

JANELAS (Série Haicanianas) ROBERTA LESSA


ROBERTA LESSA -FOTO POEMA

ROBERTA LESSA -FOTO POEMA

JANELAS – I

VIDRADO OLHAR
VÊ O TEMPO LÁ FORA
JANELAS D’ALMAS

JANELAS – II

OBSERVANTE
CORPOS NUS SE DESEJAM
JANELAS D’OLHOS

JANELAS – III

ENCONTRANDO MÃOS
VIDAS DISSIPAM MEDOS
JANELAS DOCES

JANELAS – IV

OLHOS FURTIVOS
CORPOS SURPREENDIDOS
JANELAS NUAS

JANELAS – V

CORAÇÃO PULSA
BUSCANDO N’OUTRO A SI
JANELAS VAGAS

JANELAS – VI

PECAM PEDIDOS
MAL SABENDO SEU QUERER
JANELAS CRUAS

JANELAS – VII

SENDO NÓS UNOS
ATADOS JÁ ESTAMOS
JANELAS SUAS

QUANDO POETA (Série Poema no Poema) Roberta Lessa


FOTO POEMA (Série Haicaniana) ROBERTA LESSA

FOTO POEMA (Série Haicaniana) ROBERTA LESSA – imagem retirada da internet

♥♥♥♥♥♥♥ ℜ ♥♥♥♥♥♥♥

Completa e mansamente…
UM POUCO DE TUDO SOMOS QUANDO POETA.
Mansa e plenamente…
UM POUCO DE NADA SOMOS QUANDO POETA.
Plena e ternamente…
UM POUCO DE SANGUE SOMOS QUANDO POETA.
Terna e claramente…
UM POUCO DE SAGRADO SOMOS QUANDO POETA.
Clara e eternamente…
UM POUCO DE ARTE SOMOS QUANDO POETA.
Eterna e fortemente…
UM POUCO DE FORÇA SOMOS QUANDO POETA.
forte e suavemente…
UM POUCO DE OUTRO SOMOS QUANDO POETA.
Suave e completamente…

♥♥♥♥♥♥♥ ℜ ♥♥♥♥♥♥♥

Somos poetas em tudo ou em nada: desde a fala, o tato, a memória.
– BASTA OBSERVAR E SEGUIR, O POEMA SEMPRE NOS ENCANTARÁ.
Somos poetas em tudo ou em nada: desde o odor, o seguir, a história.
– BASTA ENCANTAR E SORRIR, O POEMA SEMPRE NOS FLEXIBILIZARÁ.
Somos poetas em tudo ou em nada: desde a lida, o canto, a vitória.
– BASTA FLEXIBILIZAR E PEDIR, O POEMA SEMPRE NOS EMOCIONARÁ.
Somos poetas em tudo ou em nada: desde a luta, o modo, a glória.
– BASTA EMOCIONAR E FLUIR, O POEMA SEMPRE NOS AMARÁ.
Somos poetas em tudo ou em nada: desde a forma, o sentir, a injúria.
– BASTA AMAR E UNIR, O POEMA SEMPRE NOS INTEGRARÁ.
Somos poetas em tudo ou em nada: desde a luz, o ir, a simetria.
– BASTA INTEGRAR E MEDIR, O POEMA SEMPRE NOS AJUDARÁ.
Somos poetas em tudo ou em nada: desde a ida, o retorno, a luxúria.
– BASTA AJUDAR E DIVIDIR, O POEMA SEMPRE NOS OBSERVARÁ.

♥♥♥♥♥♥♥ ℜ ♥♥♥♥♥♥♥

NOTA: DEDICO ESSAS MINHAS APALAVRINHAÇÕES À VOCÊ SER ESPECIAL QUE ME ALUMIA, AMA E PRINCIPALMENTE SEMPRE ESTÁ PRESENTE, MESMO QUE FISICAMENTE AUSENTE, SOMANDO, PUXANDO ORELHA, REVESTINDO DO MAIS FRATERNO E INCONDICIONAL AMOR QUE É O COMPONENTE UNIVERSAL QUE NOS CONECTA À TODOS.  (amo você mansa, terna e intensamente)

 

Published in: on 20 de setembro de 2015 at 6:57  Comentários desativados em QUANDO POETA (Série Poema no Poema) Roberta Lessa  
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

QUESTÕES DE PODER (Série Haicanianas) ROBERTA LESSA


FOTO POEMA- Roberta Lessa(Pessoa na Pessoa)

FOTO POEMA- Roberta Lessa(Pessoa na Pessoa)

QUESTÕES DE PODER – I

NAÇÃO EM PODER
SEGREDADOS TEMORES
TROCA FAVORES

QUESTÕES DE PODER – II

 TEMOR EM PODER
AVILTADOS SABERES
HUMANA POSSE

QUESTÕES DE PODER – III
HOMEM EM PODER
SEGREGADOS CIDADÃOS
CASTAS GERADAS

QUESTÕES DE PODER – IV
CASTAS EM PODER
CONSAGRADOS PILARES
CRENÇAS CRIADAS

QUESTÕES DE PODER – V
CRENÇAS EM PODER
DESSACRALIZADA FÉ
SOMAS COMPRADAS

QUESTÕES DE PODER – VI
SOMAS EM PODER
URDIDAS SOBRE SANGUE
MITO GERADO

QUESTÕES DE PODER –  VII
MITO EM PODER
IGNORÂNCIA PLENA
NAÇÃO ESCRAVA

Published in: on 17 de setembro de 2015 at 13:29  Comentários desativados em QUESTÕES DE PODER (Série Haicanianas) ROBERTA LESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

ENTRE O ACADÊMICO E O SENSO COMUM (Série Poema no Poema – Geração I)


FOTO POEMA (Reflexões) ROBERTA LESSA

FOTO POEMA (Reflexões) ROBERTA LESSA

COMO ENCONTRAR A CURA SE A SOLUÇÃO IRRITA?
… e enquanto houver solução haverá química entre os seres…
COMO ENCANTAR O CORAÇÃO SE A CULTURA NÃO LEVITA?
… e enquanto houver criação haverá arte entre os seres…
COMO TRANSFORMAR O SABER SE O BUSCADOR O EVITA?
… e enquanto houver educação haverá história entre os seres…
COMO COMUNICAR SE O TRANSMITIR É UMA INCÓGNITA?
… e enquanto houver comunicação haverá português entre os seres..
COMO ABARCAR O UNIVERSO SE O REVERSO NÃO SE HABITA?
… e enquanto houver adição haverá matemática entre os seres…
COMO PARTILHAR SALTOS SEM ESTRADA PROSCRITA?
… e enquanto houver atração haverá física entre os seres…
COMO DIFERENCIAR O PENSAMENTO SE O PENSAR NÃO COGITA?
… e enquanto houver reflexão haverá filosofia entre os seres…
Published in: on 11 de setembro de 2015 at 13:37  Comentários desativados em ENTRE O ACADÊMICO E O SENSO COMUM (Série Poema no Poema – Geração I)  
Tags: , , , , , , , , , , , , ,

ARTE (Série Poema Ascenso)


FOTO POEMA-RLessa

FOTO POEMA-RLessa

QUANDO
QUANDO ARTE
QUANDO ARTE BRINCA
QUANDO ARTE BRINCA SURPREENDE
QUANDO ARTE BRINCA SURPREENDE PELO
QUANDO ARTE BRINCA SURPREENDE PELO OUSAR
UM
UM POUCO
UM POUCO MAIS
UM POUCO MAIS DE
UM POUCO MAIS DE ARTE
UM POUCO MAIS DE ARTE QUE
UM POUCO MAIS DE ARTE QUE ARDE
ARTE
ARTE CHAMA
ARTE CHAMA ARTE
ARTE CHAMA ARTE QUANDO
ARTE CHAMA ARTE QUANDO CONJUGA
ARTE CHAMA ARTE QUANDO CONJUGA UMA
ARTE CHAMA ARTE QUANDO CONJUGA UMA NOUTRA
QUANDO
QUANDO ARTE
QUANDO ARTE ARTESANA
QUANDO ARTE ARTESANA A
QUANDO ARTE ARTESANA A ARTE
QUANDO ARTE ARTESANA A ARTE ELA
QUANDO ARTE ARTESANA A ARTE ELA ARDE
QUANDO
QUANDO ARTE
QUANDO ARTE ENVOLVE
QUANDO ARTE ENVOLVE GENTE
QUANDO ARTE ENVOLVE GENTE SUBVERTE
QUANDO ARTE ENVOLVE GENTE SUBVERTE E
QUANDO ARTE ENVOLVE GENTE SUBVERTE E RELUZ
ARTE
ARTE E
ARTE E VIDA
ARTE E VIDA ALERTA
ARTE E VIDA ALERTA SOMOS
ARTE E VIDA ALERTA SOMOS TODOS
ARTE E VIDA ALERTA SOMOS TODOS CONECTADOS
ARTE
ARTE É
ARTE É PARTE
ARTE É PARTE DE
ARTE É PARTE DE QUEM
ARTE É PARTE DE QUEM MUITO
ARTE É PARTE DE QUEM MUITO COMPARTE
Published in: on 5 de setembro de 2015 at 21:06  Comentários desativados em ARTE (Série Poema Ascenso)  
Tags: , , , , , , , , , , , , ,

REVORTEIO DA TIA RO (Série Poema no Poema – Geração I)


FOTO POEMA-RLessa

FOTO POEMA-RLessa

Cansada dessa mídia que tudo estabelece e enaltece o progredir do apoderar.

E A CARAVANA PASSA…

Lesada nesse incompetência que tudo estabelece e fortalece o colidir do forçar.

E O CIRCO PROSSEGUE…

Arrasada nessa falência que tudo estabelece e emburrece o coibir do despertar.

E O PÃO CALA…

Estressada nessa impertinência que tudo enrijece e permanece o instituir do cegar.

E A ARMA DITA…

Paralisada nessa impermanência que tudo padece e enlutece o prosseguir do olhar.

E O ESQUECIMENTO IMPERA…

Acossada nessa inércia que tudo fenece e embrutece o espargir do aculturar.

E O POVO MORRE…

Retesada nessa controvérsia que tudo empobrece  e aquece o transigir do falar.

E A FOME CIRCULA…

Published in: on 1 de setembro de 2015 at 4:58  Comentários desativados em REVORTEIO DA TIA RO (Série Poema no Poema – Geração I)  
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

O PARA QUÊ DAS COISAS SEM POR QUÊS…


FOTO POEMA - RLessa

FOTO POEMA – RLessa

Pinto a vida rosada de mais,
ENQUANTO OS OLHOS ENXERGAM NUVENS…EU VIVO.
Invento a sorte sonhada de mais.
ENQUANTO OS PÉS SEGUEM VENTOS…. EU SONHO.
Sonho a lamúria sentida de mais.
ENQUANTO AS MÃOS TOCAM MEMÓRIAS… EU SINTO.
Ponho a rede temida de mais.
ENQUANTO OS OUVIDOS ACESSAM SILÊNCIOS… EU TEMO.
Ganho a sorte urdida de mais.
ENQUANTO OS PEITOS PEDEM ÁRVORES…EU URDO.
Banho a luxúria sovada de mais.
ENQUANTO OS JOELHOS DOBRAM SONHOS… EU SOVO.
Cunho rasgando a madeira lascada.
ENQUANTO AS LÍNGUAS SORVEM PEDIDOS… EU

O LADO ESCURO DA LUA

Minha maneira de ver, falar, ouvir e pensar o mundo... se quiser, venha comigo...

palavra[interna]

JAMES MORAIS & LAIANA DIAS | BRAZIL | Poesias & Reflexões

Liberte-se!

Tem coisas que só sai da gente por escrito.

Curtir THE Novo

Cultura e entretenimento

marcianossabemler.wordpress.com/

Para gostar tanto de livros, só poder ser ETE!

DITIRAMBOS

Poemas, Ensaios, Críticas, Biografias, Tudo Sobre Poesia e Poetas Realmente Importantes. A Poesia em Diálogo com outras Artes. A isso se propõe o Ditirambos. Haroldo de Campos: Não importa de fato chamar o poema de poema: importa consumi-lo, de uma ou outra forma, como coisa.

Experimentarte

espaço de expressão do artista

Rubem Alves:

Ler é fazer amor com as palavras.(blog sobre Rubem Alves)

Rubem Alves | Blog não oficial

coletânea de textos desse grande Educador

Esquizofrenia das Artes

Blog dedicado a divulgação cultural e artística

Cacos Metafóricos

por Petterson Farias

Nas Duas Margens

Nas duas margens - blogue de Vamberto Freitas

O LIVRO DOS SERES IMAGINÁRIOS

Vivemos pelo poder das coisas que não existem. Por isso, os deuses são tão poderosos. (Paul Valery)

Poesia Lunar

cercada de poesia por todos os lábios

%d blogueiros gostam disto: