ODE AO POETA FACURI (Série Ode Em Casa) ROBERTA LESSA


000001

 

 

Um verbo solto no ar, meio qu e reinventando a palavra e retorno à tela desse computador conjugando o verbo facurizar.

Ainfa facurizando por aqui e acolá nessa louca escrivaninha, adentro nesse universo todo particular que é o seu poetar, fato que só me faz ensinar.

Vou debridando minhas pobres rimas, pobres de esperanças de serem eruditas e quase sem rumo e num rompante de auto piedade peço poder pecar poemas só para me achegar em seu poetar.

Sabes da palavras, nobre poeta, e não as tem feito dom, nem feito milagrosa junção cósmica, apenas as detêm por segundo que se eternizam nas pradarias da sua poesia.

Peço um nobre abraço querido poeta,quem sabe se por osmose eu ainda absorvo um pouco do seu artesanar palavras e fazer poesias.

passearei sempre por entre suas linhas e quem sabe então um dia poderei novas poesias conjugar

 

EM DIÁLOGO COM O POEMA”PASSARINHO PASSAGEITO” DE AUTORIA DE FACURI, ESSA AVE QUE PASSA SEM POUSAR E DEICA SEU POÉTICO ENCANTAR.

ACESSE:

http://www.recantodasletras.com.br/poesias/5715597

 

Anúncios
Published in: on 20 de janeiro de 2017 at 14:49  Comentários desativados em ODE AO POETA FACURI (Série Ode Em Casa) ROBERTA LESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

ODE À POETA (Série Ode Em Casa) RLESSA


665647_4346815461685_1315218929_o

 

NORMA

A gente se conhece de soslaio…
…quase um poema.
…quase sem esquema.
…quase um dilema.
…quase um fonema.
…quase um apoema.
…quase um diadema.

NORMA QUER

A gente se conhece de poesia…
…meio que distraída.
…meio que caída.
…meio que distraída.
…meio que construída.
…meio que absorvida.
…meio que abstraída.
…meio que sobressaída.

NORMA QUERIDA

A gente se reconhece de primeira…
…um tanto quanto manhosa.
…um tanto quanto curiosa.
…um tanto quanto criteriosa.
…um tanto quanto misteriosa.
…um tanto quanto graciosa.
…um tanto quanto vitoriosa.
…um tanto quanto talentosa.

NORMA QUERIDINHA

A gente se reconhece e aprecia…
gostando de se ler.
gostando de se subverter.
gostando de se conceber.
gostando de se verter.
gostando de se reger.
gostando de se prever.
gostando de se verter.

NORMA QUERIDISSIMA

A gente se revela poeta…
…rimando vida e alegria.
…rimando vida e sabedoria.
…rimando vida e alegoria.
…rimando vida e correria.
…rimando vida e confraria.
…rimando vida e glória.
…rimando vida e harmonia.

NORMA QUERIDISSISSIMA

A gente se revela em poesia…
…e deixa o tempo passar.
…e deixa o tempo falar.
…e deixa o tempo caminhar.
…e deixa o tempo concatenar.
…e deixa o tempo amenizar.
…e deixa o tempo juntar.
…e deixa o tempo ensinar.

NORMA QUERIDISSISSISSIMA
A gente se conhece mais ainda…
… como poetas e sonhadoras.
… como poetas e criadoras.
… como poetas e merecedoras.
… como poetas e contadoras.
… como poetas e semeadoras.
… como poetas e alentadoras.
… como poetas e acolhedoras.

 

EM DIÁLOGO COM O  RECADO”PARA TODOS OS RECANTISTAS D MUSEU” DE AUTORIA DE NORMA

Published in: on 22 de dezembro de 2016 at 12:09  Comentários desativados em ODE À POETA (Série Ode Em Casa) RLESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

ODE AO AMOR/HUMOR (Série Ode Em Casa) RLESSA


526318_4347073628139_1947777884_n
ODE AO AMOR
Desejo no amor mãos dadas, jamais atadas
Almejo no amor corpos unidos, jamais sumidos
Gracejo no amor olhos brilhantes, jamais distantes
Prevejo no amor coração pleno, jamais obsceno
Pelejo no amor caminho aberto, jamais coberto
Antevejo no amor fala intensa, jamais suspensa
Festejo no amor boca ardente, jamais carente
ODE COM HUMOR
Cabe-me sorriso maroto em forma de desejo
Sabe-me os segredos por isso a ti almejo
Sobe-me à mente somando emoção e gracejo
Pede-me vontades que a mim também prevejo
Fala-me de encantos que há muito busco e pelejo
Canta-me a alma sabendo ser aquele que antevejo
Ama-me em silêncio que soa-me feito festejoODE E CALOR
Ah indecente desejo que habita os que ainda sonham
Ah reticente ser que almejo sem consciência do quanto
Ah ardente gracejo que adentra e sabe possuir entranhas
Ah potente amor que prevejo sem por ele me mostrar
Ah contente sou, pois pelejo, mas inteira sinto ao vê-lo
Ah recente futuro que antevejo sem que o mesmo o faça
Ah contente canto e festejo pois desde ontem soube do amanhã

ODE SEM TEMOR
Sonhar deixando de lado o agir é sim de você desistir
Quando deixo isso ocorrer sei o quanto posso perder
Entranhas e vísceras expostas serão e me consumirão
Mostrar-me é em parte isso tudo assumir sem resumir
Vê-lo assim com nudez de sentimento que traduz o momento
Faça sim o que há de se fazer, para que nada possa me conter
Amanhã será um pouco daquilo seu naquilo que se torna meu

ODE COM ARDOR
Arda-me em falas ao invés do silêncio que consome as línguas
Arda-me em mãos ao invés do toque que devora os gostos
Arda-me em gestos ao invés da inércia do ato inexato
Arda-me em medos ao invés do óbvio que distancia-nos
Arda-me em juras ao invés do eco que torna-nos silentes
Arda-me em ósculos ao invés do breve roçar dos rostos
Arda-me em vida ao invés de desterrar-me de seu peito

ODE POR FAVOR
Num universo tão perverso que povoo o amor é mais que favor
Num universo tão diverso que habito o favor é mais que humor
Num universo tão inverso que acredito humor é mais que temor
Num universo tão imerso que construo o temor é mais que sabor
Num universo tão disperso que percebo o sabor é mais que ardor
Num universo tão reverso que arrisco o ardor é mais que calor
Num universo tão submerso que construo o calor é mais que amor

 

Published in: on 17 de novembro de 2016 at 15:53  Comentários desativados em ODE AO AMOR/HUMOR (Série Ode Em Casa) RLESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

ODE AO ARTISTA (Série Ode Em Casa) ROBERTA LESSA


2bc42d2566d87a0d8a7b76571f313e9b

 

Ao inspirar o poeta, um ser torna-se especial, reluz de forma que todos percebem seu luzir em tudo que faz e é.

Quem é ela?
– Sabatella.
SABedoria na TELLA

Quem é ela?
– Letícia.
LETra entre notÍCIA

Ao respirar o poeta, um ser torna-se essencial, conduz de forma que todos intercedem seu parir em tudo que apraz e fé.

Quem é ele?
-Fábio
FAiscante sáBIO

Quem é ele?
Brandão.
BRANdante imensiDÃO

Ao espirar o poeta, um ser torna-se primordial, produz de forma que todos enaltecem seu espargir em tudo que traz e axé.

 

EM DIÁLOGO COM O POEMA “SABATELLA”, DE AUTORIA DE FÁBIO BRANDÃO

Published in: on 18 de agosto de 2016 at 22:21  Comentários desativados em ODE AO ARTISTA (Série Ode Em Casa) ROBERTA LESSA  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

DUDU FALCÃO (Série Ode Em Casa ) ROBERTA LESSA*


0000.jpg
TEMPO DE BOA MÚSICA
meu tempo é sempre
DIA DE BOA COMPANHIA
meu dia é hoje
HORA DE BOA MEMÓRIA
minha hora é constante
MINUTO DE BOA IDEIA
meu minuto é o bastante
SEGUNDO DE BOA POESIA
meu segundo é este
MOMENTO DE BOA VOZ
meu momento é agora
INSTANTE DE BOA PRESENÇA
meu instante é você
 
DUDU FALCÃO ME SURPREENDEU NAS ENTRE LINHAS DE MINHA POESIA, DEIXANDO -SE INVADIR E INVADINDO-ME À PONTO DE DEIXAR-ME TONTA DA VIDA E À SEGUIR À DERIVA DE SUA POESIA E MUSICALIDADE
O LADO ESCURO DA LUA

Minha maneira de ver, falar, ouvir e pensar o mundo... se quiser, venha comigo...

palavra[interna]

JAMES MORAIS & LAIANA DIAS | BRAZIL | Poesias & Reflexões

Liberte-se!

Tem coisas que só sai da gente por escrito.

Curtir THE Novo

Cultura e entretenimento

marcianossabemler.wordpress.com/

Para gostar tanto de livros, só poder ser ETE!

DITIRAMBOS

Poemas, Ensaios, Críticas, Biografias, Tudo Sobre Poesia e Poetas Realmente Importantes. A Poesia em Diálogo com outras Artes. A isso se propõe o Ditirambos. Haroldo de Campos: Não importa de fato chamar o poema de poema: importa consumi-lo, de uma ou outra forma, como coisa.

Experimentarte

espaço de expressão do artista

Rubem Alves:

Ler é fazer amor com as palavras.(blog sobre Rubem Alves)

Rubem Alves | Blog não oficial

coletânea de textos desse grande Educador

Esquizofrenia das Artes

Blog dedicado a divulgação cultural e artística

Cacos Metafóricos

por Petterson Farias

Nas Duas Margens

Nas duas margens - blogue de Vamberto Freitas

O LIVRO DOS SERES IMAGINÁRIOS

Vivemos pelo poder das coisas que não existem. Por isso, os deuses são tão poderosos. (Paul Valery)

Poesia Lunar

cercada de poesia por todos os lábios

%d blogueiros gostam disto: