SOBRE QUESTÕES QUESTIONÁVEIS (Série Reflexiva Mente) ROBERTA LESSA


1917892_10207195152890268_3570776194838918753_n

SOBRE QUESTÕES QUESTIONÁVEIS:

O bicho pergunta à árvore, que pergunta que à terra, que pergunta à mata, que pergunta às águas, que pergunta ao vento, que pergunta ao céu, que pergunta ao fogo:

  • Porque o humano?

Em resposta o fogo responde ao céu, que responte ao vento, que responte às águas, que responte à mata, que responte à terra, que responte à árvore, que responde ao bicho:
– …

QUESTIONÁVEIS SOBRE QUESTÕES:

Cuidemos de nossos egos, pois se o homem se aparta da natureza não sobreviverá jamais; no entanto a natureza segue seu curso com ou sem humanidade.

Anúncios
Published in: on 16 de julho de 2017 at 12:56  Comentários desativados em SOBRE QUESTÕES QUESTIONÁVEIS (Série Reflexiva Mente) ROBERTA LESSA  
Tags: , , ,

DA ARTE QUE APRECIO (Série Reflexiva Mente) ROBERTA LESSA


1915974_10207221939079906_5821767210081635056_n.jpg
– Quando leio livros opto pelos que abordam conceitos mais amplos do que aqueles superficiais que rezam somente a cartilha da vida, muitas vezes adormecida, de seu autor.
 
– Quando assisto filmes opto pelos que guardam essências mais profundas do que aqueles artificiais que mostram somente a ideologia da vida, muitas vezes equivocada, de seu criador.
 
– Quando acesso cultura opto pelas que espelham elegâncias mais apuradas do que aquelas falaciais que conjuram somente a desarmonia da vida, muitas vezes limitada, de seu produtor.
 
– Quando ouço canções opto pelas que soam sopros mais identitários do que aquelas coloquiais que reverberam somente a demagogia da vida, muitas vezes distorcida, de seu precursor.
 
– Quando visito exposições opto pelas que geram formas mais expressivas do que aquelas circunstanciais que alimentam somente a elegia da vida, muitas vezes decaída, de seu escultor.
 
– Quando vejo danças opto pelas que vivenciam momentos mais circulares do que aquelas operacionais que marcam somente a monotonia da vida, muitas vezes complicada, de seu dançador.
 
– Quando sinto artesanatos opto pelos que encantam imaginação mais artísticas do que aquelas dominicais que somam somente a sabedoria da vida, muitas vezes direcionadas, de seu fazedor.
TODA ARTE É LOCAL QUANDO FALA SOMENTE DE SI, QUANDO A ARTE ABARCA CONCEITOS MAIORES E MENOS EGOCÊNTRICOS ELA SE TORNA UNIVERSAL.
Published in: on 16 de julho de 2017 at 12:50  Comentários desativados em DA ARTE QUE APRECIO (Série Reflexiva Mente) ROBERTA LESSA  
Tags: , , ,

BRASIL (Série Reflexiva) ROBERTA LESSA


223075_10200499095893028_1073376523_n
BRASIL apesar e com todas as flores ainda insisto em amar todas suas matas que mesmo depredadas resistem para que nós humanos possamos viver nossa brasilidade.
BRASIL apesar e com todas as dores ainda insisto em tocar todas suas almas que mesmo aviltadas resistem para que nós humanos possamos crescer nossas inventividades.
BRASIL apesar e com todas as dores ainda insisto em tocar todas suas almas que mesmo aviltadas resistem para que nós humanos possamos crescer nossas inventividade. criatividades.
BRASIL apesar e com todos os sabores ainda revisto em rememorar todas suas histórias que mesmo mascaradas sobrevivem para que nós humanos possamos estabelecer nossa solidariedade.
BRASIL apesar e com todos os labores ainda existo em participar de todas suas artes que mesmo desprezadas reproduzem para que nós humanos possamos enriquecer nossa nacionalidade.
BRASIL apesar e com todos os ditadores ainda invisto creditar todas suas potências que mesmo aviltadas crescem para que nós humanos possamos engrandecer nossas capacidades.
BRASIL apesar e com todas as lidas ainda visito em altar todas suas sacralidades que mesmo adulteradas aparecem para que nós humanos possamos agradecer nossa brasilidade.

COM POÉTICA (Série Poema no Poema)ROBERTA LESSA/FÁBIO BRANDÃO


10646650_10206575255193213_3047231426185991755_n

 

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um soar poético que aprova.
… POETAS SÃO E NÃO.

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um voar peripatético que trova.
… POETAS NÃO E ESTÃO.

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um zoar fonético que desaprova.
… POETAS ESTÃO E VÃO.

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um doar pirético que reprova
… POETAS VÃO E SÃO.

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um toar estético que inova.
… POETAS SÃO E NÃO.

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um egoar peripatético que renova.
… POETAS NÃO E IRÃO.

LONGE, LÁ LONGE E TÃO PERTO…
– Um loar estético que comprova.
… POETAS IRÃO E SÃO.

 

EM DIÁLOGO COM O POEMA “DNA DA POESIA”, DE AUTORIA DE FÁBIO BRANDÃO

POETAS (Série Apenas Uma Frase ) RLESSA/ZEZEZUS


402adf85c7bf1e5524499320e41eaaac

 Poetar é algo visceral, ou melhor até, essencial àqueles que não mais desejam olhar o mundo com os mesmos filtros daqueles que não mais ousam sonhar. És poeta, esteta que ousa o olhar que rima com outro rumos.

EM DIÁLOGO COM O POEMA “POESIA DE NATAL”, DE AUTORIA DE ZEZEZUS

ACESSE: http://www.recantodasletras.com.br/poesias-de-natal/5862581

..

NAVEGANTES FLUTUANTES (Série Reflexiva) RLESSA


mi2hamcode

 

Não preciso que concordes com minha escrita: sua discordância produz crescimento. Então rogo: Contraponha!

Não preciso que alie-se com minha escrita: seu duvidar produz inspiração. Então rogo: Auxilie-me!

Não preciso que irrite-se com minha escrita: sua posição produz criações. Então rogo: Ojerize-me!

Não preciso que oprima-se com minha escrita: sua liberdade produz iluminação. Então rogo: voe!

Não preciso que vibre com minha escrita: sua indiferença produz força. Então rogo: Haja!

Não preciso que alegre-se com minha escrita: sua distancia produz aberturas. Então rogo: assuma-me!

Não preciso que conturbe-se com minha escrita: sua irritação produz temas. Então rogo: inspira-me!

Não preciso que confunda-se com minha escrita: sua clareza produz alma. Então rogo: seja-me!

MINHAS SOMBRAS (Série Reflexivas) RLESSA


1385349_10201275231455932_300585773_n

 

Sombras e poemas adentram o cômodo que abriga as sensações do viver, sobra -me a desesperança sendo recriada pelo nublado dia de quem um dia ousou sonhar.

A PELE CLARA ABENÇOADA PELAS CHAGAS DA MEMÓRIA, HOJE RISCADAS EM TEMPOS DANÇANTES E PELAS FACES QUE UM DIA FORA TÉPIDA E LÍMPIDA DE HISTÓRIA.

Ventos clássicos e invernais tumultuam cortinas com janelas de abas serradas, supondo serem eles alados completos e libertos, sorvem o fruto daquilo que desejam os insones em noites aquecidas de memórias.

A VOZ ROUCA VENTA PALAVRAS INAUDÍVEIS PARA OS QUE NÃO MAIS SABEM ESPERAR A VIDA POR CHEGAR PELO FADO DE NÃO MAIS DESPERTAR A CERTEZA DA PROFUNDIDADE DO VIVER.

Salas rompem em solilóquios antes só alcançados pela metáfora do viver e soma-se ao solitário lustre alumiado em velas que cintilam cristais seculares.

SOUBE DOS PASSOS INCERTOS O CORPO E ADENTRANDO CAMINHOS TENTOU ATALHOS PARA REALIZAR SONHOS DE IMPOSSÍVEIS VEEMÊNCIAS E CONTUSÕES CARACTERÍSTICAS EM ALMAS FRATURADAS.

Faces gélidas e pérfidas demonstram nesgas que multiplicam o tempo do viver, pululam-me os tempos que povoaram fomes insaciadas de amanhãs de quem pensou ser poeta.

A MÃO DIMINUTA CONSTITUI FÓRMULAS IMPROPRIAS DE TOQUES EM COLINAS DE HUMANIDADES TARJADAS E FORJADAS DE SÓLIDAS SOLIDÕES.

Arvoredos rompem florestas tecendo inverdades na fronte burlesca da montanha que arrefeceu noites aguardando em vão o alvorecer das folhas orvalhadas do carvalho desnutrido.

PES DESNUDOS DE CAMINHOS SORVEM PASSOS ENTRE PEGADAS JÁ MARCADAS EM ONTENS VIVENCIADOS POR CAMINHANTES SORVIDOS DE HISTÓRIAS.

DUDU FALCÃO (Série Ode Em Casa ) ROBERTA LESSA*


0000.jpg
TEMPO DE BOA MÚSICA
meu tempo é sempre
DIA DE BOA COMPANHIA
meu dia é hoje
HORA DE BOA MEMÓRIA
minha hora é constante
MINUTO DE BOA IDEIA
meu minuto é o bastante
SEGUNDO DE BOA POESIA
meu segundo é este
MOMENTO DE BOA VOZ
meu momento é agora
INSTANTE DE BOA PRESENÇA
meu instante é você
 
DUDU FALCÃO ME SURPREENDEU NAS ENTRE LINHAS DE MINHA POESIA, DEIXANDO -SE INVADIR E INVADINDO-ME À PONTO DE DEIXAR-ME TONTA DA VIDA E À SEGUIR À DERIVA DE SUA POESIA E MUSICALIDADE

DESENCONTROS CONSONANTAIS (Série Diálogos Poéticos) ROBERTA LESSA/STELO QUEIROGA


9362c899352030336d57abffa582c61d

palavras suas
SENTEM POREM MENTEM
palavras nuas

palavras leves
MENTEM PORÉM VERTEM
palavras levas

palavras poucas
VERTEM POREM ARDEM
palavras loucas

palavras pegas
ARDEM POREM MEDEM
palavras pagas

palavras soltas
MEDEM POREM TENDEM
palavras santas

palavras cegas
TENDEM POREM FOGEM
palavras negas

palavras puras
GOGEM POREM SENTEM
palavras duras

 

EM DIÁLOGO COM AS PALAVRAS DE “SER POETA” DE AUTORIA DE STELO QUEIROGA,

Published in: on 11 de agosto de 2016 at 22:32  Comentários desativados em DESENCONTROS CONSONANTAIS (Série Diálogos Poéticos) ROBERTA LESSA/STELO QUEIROGA  
Tags: , ,

TÃO MEU, TÃO EU (Serie Diálogos Poéticos) ROBERTA LESSA/JACÓ FILHO


12166571_819008351566431_1067604900_n

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O AMOR SE EXTINGUIU
Se andam e dizem, peço que sigam em frente e deixem-me amar.
AO POETA A ARTE DE ARTESANAR IDEIAS E IDEAIS

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O VALOR SE REDUZIU
Se andam e dizem, rogo que peçam espaços e deixem-me revalorizar.
AO POETA A ARTE DE IMAGINAR RUAS E LUAS

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O PUDOR SE OBSTRUIU
Se andam e dizem, exijo que sigam caminhos e deixem-me soltar.
AO POETA A ARTE DE CONCENTRAR AÇÃO E REAÇÃO

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O TROVADOR SE REPRIMIU
Se andam e dizem sonho que esqueçam troças e deixem-me caminhar.
AO POETA A ARTE DE MODIFICAR CONCEITOS E DEFEITOS

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O VIGOR SE REDIMIU
Se andam e dizem, desejo que corram estradas e deixem-me brilhar.
AO POETA A ARTE DE CRIAR AMPLIDÕES E SOLIDÕES

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O LABOR SE SUBSTITUIU
Se andam e dizem, oro que cresçam mentes e deixem-me iluminar.
AO POETA A ARTE DE ALCANÇAR CÉUS E SÓIS

ANDAM DIZENDO POR AÍ QUE O EXPOR SE INSTITUIU
Se andam e dizem, rezo que permaneçam longe e deixem-me cantar.
AO POETA A ARTE DE OUSAR PORTAIS E UMBRAIS

 

 

 

EM DIÁLOGOS COM A POESIA “DAQUELE INSTANTE EM DIANTE” , DE AUTORIA DE JACO FILHO

Published in: on 31 de maio de 2016 at 15:44  Comentários desativados em TÃO MEU, TÃO EU (Serie Diálogos Poéticos) ROBERTA LESSA/JACÓ FILHO  
Tags: , , , , , , , , , , , , ,
O LADO ESCURO DA LUA

Minha maneira de ver, falar, ouvir e pensar o mundo... se quiser, venha comigo...

palavra[interna]

JAMES MORAIS & LAIANA DIAS | BRAZIL | Poesias & Reflexões

Liberte-se!

Tem coisas que só sai da gente por escrito.

Curtir THE Novo

Luz, Alegria e tudo que há THE novo

marcianossabemler.wordpress.com/

Para gostar tanto de livros, só poder ser ETE!

DITIRAMBOS

Poemas, Ensaios, Críticas, Biografias, Tudo Sobre Poesia e Poetas Realmente Importantes. A Poesia em Diálogo com outras Artes. A isso se propõe o Ditirambos. Haroldo de Campos: Não importa de fato chamar o poema de poema: importa consumi-lo, de uma ou outra forma, como coisa.

Experimentarte

espaço de expressão do artista

Rubem Alves:

Ler é fazer amor com as palavras.(blog sobre Rubem Alves)

Rubem Alves | Blog não oficial

coletânea de textos desse grande Educador

Esquizofrenia das Artes

Blog dedicado a divulgação cultural e artística

Cacos Metafóricos

por Petterson Farias

Nas Duas Margens

Nas duas margens - blogue de Vamberto Freitas

O LIVRO DOS SERES IMAGINÁRIOS

Vivemos pelo poder das coisas que não existem. Por isso, os deuses são tão poderosos. (Paul Valery)

Poesia Lunar

cercada de poesia por todos os lábios

%d blogueiros gostam disto: